Pages Navigation Menu

Dislexia não tem ligação com problemas visuais

Dislexia não tem ligação com problemas visuais

Um novo estudo de imagens do cérebro parece descartar uma causa potencial de dislexia, até então: problemas de visão não levam ao transtorno de leitura. A nova pesquisa pode ter um amplo impacto na detecção e tratamento da dislexia, disse a principal autora do estudo, Guinevere Eden, diretora do Centro para o Estudo da Aprendizagem na Georgetown University Medical Center. O estudo foi publicado este mês na revista Neuron.

“Não tem importância do ponto de vista prático. Isso significa que você não deve incidir sobre o sistema visual como uma maneira de diagnosticar a dislexia ou tratar a dislexia”, disse Eden. “Até agora ainda havia esta incerteza, algumas pessoas dizendo, ‘Eu sei que é controverso, mas eu ainda acredito que a visão está contribuindo para essas crianças terem problema de leitura’ mas agora temos uma descoberta que realmente fala a um entendimento de que a função do sistema visual não deve ter um papel importante no diagnóstico ou tratamento de dislexia”, exulta ela.

baby-921807_960_720

Pessoas com dislexia lutam para aprender a ler com fluência e precisão. Nos Estados Unidos, a dislexia pode afetar mais de uma em cada 10 pessoas e é mais comum a dificuldade de aprendizagem, de acordo com este estudo.

Estudos de imagens cerebrais anteriores descobriram que as pessoas com dislexia experimentavam fraquezas sutis no processamento de estímulos visuais em comparação com as pessoas da mesma idade. Mas o estudo constatou que os problemas visuais observados em pessoas com dislexia são provavelmente uma consequência do distúrbio de aprendizagem, em vez de ser a causa.

Ao descartar o centro visual como um culpado, o novo estudo fornece mais apoio à teoria já popular que a dislexia ocorre devido a deficiências na parte do cérebro que lida com a linguagem. Os pesquisadores usaram ressonância magnética funcional para comparar os cérebros de crianças disléxicas com os cérebros de crianças que não têm o distúrbio de aprendizagem.

Crianças sem dislexia parecem ter o mesmo nível de atividade de processamento visual das crianças disléxicas. Além disso, crianças com dislexia que receberam aulas intensivas em habilidades de leitura experimentaram um aumento subsequente na atividade do sistema visual.

“Quando pedimos que as crianças aprendam a ler, nós estamos pedindo-lhes para fazer algo que é muito difícil. Aprender a ler muda o cérebro”, disse Eden. “Se você é um leitor lutando por causa de sua dislexia, você não tem tanta oportunidade de ler como o outro garoto de sua classe, já que o seu cérebro não tem a chance de mudar tanto. O déficit visual está lá, mas nosso estudo permitiu-nos concluir que ele está lá como uma consequência de não ter a mesma oportunidade de ler como crianças sem dislexia”.

glasses-933271_960_720

O novo estudo representa um passo fundamental para o  campo em que se reduzem as potenciais causas da  dislexia e ajuda a moldar o futuro da detecção e do  tratamento. Futuramente, as pesquisas devem se  concentrar em replicar estes resultados, e encontrar  outra explicação para a interação entre os centros
visuais e de linguagem do cérebro.

Eden disse que o novo estudo também pode ser aplicado  de forma mais ampla a outras doenças em que as  diferenças na atividade cerebral foram observadas.  “Sempre tem esse problema da galinha e do ovo”, disse  ela. “Quando vemos a diferença em uma varredura do  cérebro, podemos dizer: ‘Foi isso que desde o início  causou o problema, ou é o produto final de um  problema já existente? ’. Neste caso, considere que nós  só passamos a ensinar as crianças a ler nos últimos 100 anos. Você está pedindo ao seu cérebro para fazer algo que não foi projetado para fazer, e ter que fazê-lo induz a todos os tipos de mudanças no cérebro.”

Fonte: Saúde Visual