Pages Navigation Menu

Center Laser

Blog

Quais preocupações o portador de diabetes deve ter com os olhos?

Posted by on ago 14, 2020 in Blog | 0 comments

Quais preocupações o portador de diabetes deve ter com os olhos?

O diabetes é uma doença progressiva que não oferece grandes riscos ao paciente que mantém a doença sob controle, porém, quando isso não ocorre, a alta concentração de glicose é capaz de afetar seriamente os vasos sanguíneos do corpo, incluindo dos olhos. Os cuidados do paciente diabético relacionados à visão devem ser redobrados, pois a taxa de açúcar no sangue em nível elevado pode provocar lesões nos vasos do olho, ocasionando a retinopatia diabética, uma doença complexa, capaz de levar à cegueira total. Retinopatia diabética, o que é? Um material é depositado nos vasos sanguíneos da retina, provocando alterações, dificultando a circulação e fazendo com que esses vasos fiquem deformados. Essa situação provoca a formação de microaneurismas, que podem causar alterações na retina. Como é feito o tratamento? O controle rigoroso do diabetes com uma dieta adequada, uso de pílulas hipoglicemiantes, insulina ou com uma combinação desses tratamentos, prescritos pelo médico endocrinologista, são a principal forma de evitar a retinopatia diabética. Quando ela já esta instalada, pode-se optar pela fotocoagulação com raio laser, prevenindo hemorragias.   Fonte: CBO Conselho Brasileiro de...

Botão Leia Mais

Teste do olhinho é melhor para triagem de problemas oculares em recém-nascidos

Posted by on jul 10, 2020 in Blog | 0 comments

Teste do olhinho é melhor para triagem de problemas oculares em recém-nascidos

“O Teste do reflexo vermelho (teste do olhinho) deve ser realizado pelo Pediatra, conforme a Lei e é uma forma de triagem bem estabelecida, com excelente relação custo-benefício e adequada à realidade do nosso país.” Esta é a conclusão de um documento emitido pela Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica (SBOP), baseada nas recomendações da Associação Americana de Oftalmologia Pediátrica e Estrabismo (AAPOS) e na literatura médica disponível. O documento foi motivado por manifestações surgidas em meios de comunicação sugerindo que a fotografia de fundo de olho de grande angular, o chamado teste do reflexo vermelho ampliado, seria o meio mais adequado para realização de triagem de possíveis problemas oculares em recém-nascidos. Para conferir o documento completo clique AQUI   Fonte: Conselho Brasileiro de...

Botão Leia Mais

Glaucoma

Posted by on jul 7, 2020 in Blog | 0 comments

Glaucoma

Glaucoma é considerado a principal causa de cegueira irreversível no mundo. O nervo óptico, estrutura que leva as imagens captadas pelos olhos até cérebro, é o principal alvo e, quando atingido, sofre uma lesão irreversível e consequente perda do campo visual. Esse dano é causado por diversos fatores, entre eles, a elevação da pressão intraocular é a principal causa. Fatores de risco: Oculares: Aumento da pressão intraocular, miopia, espessura central da córnea fina, córnea plana, diâmetro axial reduzido, câmara anterior rasa e ângulo oclusível; Fatores sistêmicos: fenômeno de Reinauld, doenças vasculares isquemias, doenças autoimunes, hipotensão arterial sistêmica, vasculites e oclusão de carótidas; Medicamentosos: uso de corticoides; Demográficos: negros, asiáticos, esquimós e índios; Genéticos: história familiar positiva. Exames para avaliação do glaucoma: tonometria, gonioscopia, campo visual, avaliação do disco óptico, retinografia e OCT de papila. Tratamento: O tratamento tem como objetivo alcançar a pressão alvo e impedir a progressão dos danos ao nervo óptico, para isso o oftalmologista irá definir o melhor tratamento para cada caso, entre eles estão: uso de colírios antiglaucomatosos, tratamentos cirúrgicos e à laser.   Fonte: UPO...

Botão Leia Mais

O que é a fotofobia: entenda mais sobre esse distúrbio

Posted by on jul 7, 2020 in Blog | 0 comments

O que é a fotofobia: entenda mais sobre esse distúrbio

A fotofobia é uma condição que aumenta a sensibilidade dos olhos em relação à luz. O incômodo faz com que o paciente não consiga olhar diretamente para claridade e nem permaneça por muito tempo em ambientes muito claros. Além disso, a condição pode causar fortes dores nos olhos, criando inclusive uma aversão do paciente à claridade. Outras características da fotofobia são: Irritação nos olhos; Ardência; Vermelhidão; Ofuscamento visual; Lacrimejamento; Dores de cabeça também podem surgir, principalmente após longas hora de exposição à luz. A fotofobia em si não provoca danos aos olhos, porém ela pode ser o primeiro sinal de outras doenças oftalmológicas e por isso pede cuidado e atenção. O que causa essa sensibilidade?  Ela pode estar relacionada com outras enfermidades, como enxaqueca, meningite, botulismo, etc. Mas quando a fotofobia está ligada aos olhos, ela pode ser um sintoma de distúrbios como: Vícios de refração como o astigmatismo, a hipermetropia e a miopia; Conjuntivite; Presbiopia; Tumores oculares; Síndrome dos olhos secos; Doenças da córnea como o ceratocone; Glaucoma; Blefarite; Inflamação da íris. É possível tratar a fotofobia?  Como não é uma doença em si e sim de um sintoma de um distúrbio, não existe um tratamento eficaz apenas para a fotofobia. Por isso é importante buscar as causas para então encontrar a solução para o problema. Porém, usar óculos escuros em ambientes muito claros pode ser uma boa saída para minimizar os incômodos causados pela fotofobia.   Fonte: UPO...

Botão Leia Mais

Falta de informação sobre o COVID-19 afeta outros tratamentos

Posted by on jun 23, 2020 in Blog | 0 comments

Falta de informação sobre o COVID-19 afeta outros tratamentos

O isolamento imposto pela pandemia do novo coronavírus deixou muitas pessoas desorientadas em relação ao acompanhamento médico de outras alterações da saúde. Os especialistas afirmam que é muito importante evitar saídas desnecessárias para conter a disseminação da COVID-19. Entretanto, adverte, a falta de acompanhamento oftalmológico de doenças crônicas e emergências leva à perda da visão. Doenças crônicas Necessitam de atendimento oftalmológico durante a quarentena os pacientes em pós-operatório recente, pessoas com complicações oculares decorrentes do uso de lente de contato e portadores de doenças crônicas. Entre estas doenças destaca: Uveíte, uma inflamação grave que atinge o bulbo do olho e frequentemente é confundida com conjuntivite por leigos. Alta miopia, por predispor ao glaucoma, catarata e descolamento da retina. Glaucoma, que em 90% dos casos está associado ao aumento da pressão intraocular e pode necessitar troca de colírio ou aplicação de laser. Retinopatia diabética e degeneração macular, uma vez que a aplicação de laser ou injeção de anti-angiogênico deve ser deve manter intervalos adequados à gravidade de cada caso. Urgências As principais urgências elencadas pelo oftalmologista são: Dor súbita nos olhos, que pode estar associada ao aumento repentino da pressão intraocular que caracteriza o glaucoma de ângulo fechado e exige atendimento imediato. Contusões, traumas perfurantes ou químicos, mais frequentes entre crianças quando permanecem em casa. Cegueira temporária, um sinal de tumor no cérebro que provoca alteração no exame de fundo de olho. Enxergar manchas escuras, flashes de luz e muitas moscas volantes, indicadores de descolamento ou buraco na retina. Desconforto pós-cirúrgico intenso, causado por infecção ou inflamação. Olhos vermelhos e inchados, alteração associada à conjuntivite, alergia ou ceratite, uma inflamação da córnea. Prevenção Lavar as mãos com água e sabão frequentemente e usar álcool 70% quando não for possível lavar. Lavar os óculos diariamente com água e sabão. Limpar o celular, mouse e teclado diariamente com álcool propílico que não contém água e por isso não danifica os equipamentos. Higienizar aos ambientes da casa com álcool líquido ou alvejante. Não tocar os olhos que podem transmitir o vírus pelo canal lacrimal às vias respiratórias.   Fonte: Portal da...

Botão Leia Mais

SBO e Campanha Violet June promovem Campanha para alertar sobre o ceratocone

Posted by on jun 23, 2020 in Blog | 0 comments

SBO e Campanha Violet June promovem Campanha para alertar sobre o ceratocone

Durante todo o mês de junho, a Sociedade Brasileira de Oftalmologia e a Campanha Violet June estão divulgando informações sobre o ceratocone, com o objetivo de conscientizar a população sobre a doença que começa geralmente na adolescência e, se não diagnosticada precocemente e tratada, pode levar à necessidade de um transplante de córnea. O ceratocone é uma doença de origem hereditária, degenerativa, e atinge uma em cada duas mil pessoas. A doença ainda é a principal causa de transplantes de córnea no Brasil(está entre os mais de 23 mil transplantes realizados por ano, mais de 13 mil são de córnea)   Fonte: Sociedade Brasileira de...

Botão Leia Mais

SBP atualiza recomendações sobre saúde de crianças e adolescentes na era digital

Posted by on fev 27, 2020 in Blog | 2 comments

SBP atualiza recomendações sobre saúde de crianças e adolescentes na era digital

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) divulgou na terça-feira dia 11/02, o Manual de Orientação #MenosTelas #MaisSaúde com o objetivo de promover a saúde e o bem-estar de crianças e adolescentes em contato constante com tecnologias digitais, como smartphones, computadores e tablets. O documento, elaborado pelo Grupo de Trabalho sobre Saúde na Era Digital da SBP, complementa e atualiza as recomendações lançadas pela entidade em 2016 sobre o tema. Na avaliação da presidente da SBP, dra. Luciana Rodrigues Silva, diversas pesquisas têm demonstrado a urgência do tema para a sociedade e a amplitude dos riscos envolvidos, especialmente para o desenvolvimento de transtornos de saúde mental e problemas comportamentais, segundo os atuais critérios do CID-11 sobre dependência digital. De acordo com a publicação, a multiplicação do acesso aos vários aplicativos, redes sociais e jogos online direcionados à população entre zero e 19 anos requer cada vez mais a atenção de todos que têm como responsabilidade lutar em defesa dos direitos da infância e adolescência. Dados da pesquisa TIC Kiks Online – Brasil (2018), realizada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), revelam que 86% das crianças e adolescentes brasileiros, entre 9 e 17 anos, estão conectados, o que corresponde a 24,3 milhões de usuários da internet. Cerca de 20% dos participantes do levantamento relataram contato com conteúdos sensíveis sobre alimentação ou sono; 16% com formas de machucar a si mesmo; 14% com fontes que informam sobre modos de cometer suicídio; 11% com experiências com o uso de drogas. Além disso, cerca de 26% foram tratados de forma ofensiva (discriminação ou cyberbullying); e 16% relataram acesso às imagens ou vídeos de conteúdo sexual. Outros 25% assumiram não conseguir controlar o tempo de uso, mesmo tentando passar menos tempo na internet. Segundo o documento, as novas mídias preenchem vácuos ócio, tédio, necessidade de entretenimento, abandono afetivo ou mesmo pais ‘ultraocupados’, muitas vezes, com seus próprios celulares. As consequências, tanto do acesso a conteúdo inadequado quanto do uso excessivo, têm sido constatadas nos relatos de acidentes, abusos de privacidade, distúrbios de aprendizado, baixo desempenho escolar, atrasos no desenvolvimento, entre outros.   Entre as principais orientações atualizadas pelo novo Manual de Orientação da SBP, destacam-se: Evitar a exposição de crianças menores de dois anos às telas, mesmo que passivamente; Limitar o tempo de telas ao máximo de uma hora por dia, sempre com supervisão para crianças com idades entre dois e cinco anos; Limitar o tempo de telas ao máximo de uma ou duas horas por dia, sempre com supervisão para crianças com idades entre seis e 10 anos; Limitar o tempo de telas e jogos de videogames a duas ou três horas por dia, sempre com supervisão; nunca “virar a noite” jogando para adolescentes com idades entre 11 e 18 anos; Para todas as idades: nada de telas durante as refeições e desconectar uma a duas horas antes de dormir; Oferecer como alternativas: atividades esportivas, exercícios ao ar livre ou em contato direto com a natureza, sempre com supervisão responsável; Criar regras saudáveis para o uso de equipamentos e aplicativos digitais, além das regras de segurança, senhas e filtros apropriados para toda família, incluindo momentos de desconexão e mais convivência familiar; Encontros com desconhecidos online ou off-line devem ser evitados; saber com quem e onde seu filho está, e o que está...

Botão Leia Mais

Como perceber se as crianças estão com dificuldade para enxergar?

Posted by on fev 14, 2020 in Blog | 0 comments

Como perceber se as crianças estão com dificuldade para enxergar?

A volta ás aulas é um momento que pede atenção dos pais e professores, principalmente em relação à saúde ocular dos pequenos. Segundo dados do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), cerca de 20% das crianças em idade escolar apresentam algum tipo de problema visual. Os erros de refração estão entre os mais frequentes e podem comprometer atividades do dia a dia e o aprendizado. Entre eles, a miopia (dificuldade para enxergar objetos que estão longe), a hipermetropia (incapacidade de visualizar claramente objetos próximos), e o astigmatismo (objetos desfocados tanto perto como longe). Mas afinal, quais indícios apontam que algo está errado? Em casa: Dificuldade em reconhecer objetos comuns e pessoas conhecidas Falta de interesse por atividades normalmente cativantes Tropeçar ou cair com frequência. Na escola: “Apertar” os olhos para enxergar Levantar de seu lugar e se aproximar da lousa para ler o que está escrito Desistir de prestar atenção pela dificuldade de leitura da lousa e apostilas/cadernos Dores de cabeça no fim do dia de estudos pelo esforço para tentar ver melhor Os problemas de refração devem ser corrigidos sempre que limitarem a capacidade visual das crianças, pois podem acarretar um desenvolvimento visual incompleto, comprometer o aprendizado, deixar a criança insegura e mais suscetível a se ferir em quedas ou acidentes. Tão logo seja notada a deficiência, é fundamental agendar uma consulta com um oftalmologista para uma avaliação, exames e a prescrição dos óculos.   Fonte: Hospital...

Botão Leia Mais

Coronavírus também pode ser transmitido pelos olhos

Posted by on fev 6, 2020 in Blog | 0 comments

Coronavírus também pode ser transmitido pelos olhos

Especialistas acreditam que é “absolutamente possível” que o coronavírus seja transmitido pelos olhos. O contágio ocorreria quando o paciente encosta as mãos infectadas junto ao globo ocular. O médico chinês Wang Guangfa, inclusive teme ter contraído a enfermidade por não estar utilizando óculos protetores durante o trabalho.  As informações são do jornal britânico Daily Mail. Especialistas em contágio da infecção ouvidos pelo tabloide ainda ressaltam que o vírus pode se propagar por meio de tosses e espirros. Desse modo, o vírus percorreria o corpo até chegar aos olhos. “Não é incomum que gripes e outras viroses sejam transmitidas assim. É possível, inclusive, contrair infecções respiratórias pelos olhos”, diz Paul Kellam, professor de genômica dos vírus no Imperial College London. Kellam ainda ressalta que as máscaras que protegem a boca e o nariz não seriam suficientes, por deixarem os olhos descobertos. Michael Head, pesquisador em saúde global na universidade britânica de Southampton, concorda com a análise de Kellam . “A transmissão pode potencialmente ocorrer pelo contato da mão com os olhos, o que facilita a transmissão de uma pessoa para a outra”, afirmou. “Pense como se fosse uma gripe ou resfriado comum, tocar o nariz, a boca, ou os olhos é uma forma simples de contágio. Em toda a China já foram confirmados pelo menos 2 744 casos de infeção pelo coronavírus. Metade dos registros ocorreu na província de Hubei, cuja a capital é Wuhan — onde a enfermidade teria começado a se propagar. Na China, 81 pessoas já morreram em decorrência da infecção.   Fonte:...

Botão Leia Mais

O que é Neurite óptica?

Posted by on jan 23, 2020 in Blog | 0 comments

O que é Neurite óptica?

A neurite óptica, também conhecida como neurite retrobulbar, é a inflamação do nervo óptico que impede a transmissão da informação do olho para o cérebro.   Isto acontece porque o nervo perde a bainha de mielina, uma camada que reveste os nervos e é responsável pela transmissão dos impulsos nervosos.   Esta doença é mais comum em adultos de 20 a 45 anos, e provoca perda parcial, ou às vezes total, da visão, podendo também causar dor ocular e alteração na identificação ou percepção das cores.    A neurite óptica surge, principalmente, como uma manifestação da esclerose múltipla, mas também pode ser provocada por uma infecção cerebral, um tumor ou por intoxicação por metais pesados, como chumbo, por exemplo.   Geralmente afeta apenas um olho, apesar de também poder afetar ambos os olhos. A recuperação acontece espontaneamente após algumas semanas, no entanto, o médico também poderá utilizar corticoides para ajudar a acelerar a recuperação, em alguns casos. Os sintomas da neurite óptica são perda de visão, dor ocular e perda da capacidade de distinguir as cores. A perda da visão costuma ser temporária, no entanto, podem ainda permanecer sequelas como dificuldades para identificar cores ou ter uma visão pouco nítida. O diagnóstico de neurite óptica é feito pelo oftalmologista, que poderá realizar exames que avaliam a visão e a condição dos olhos como campimetria visual, potencial evocado visual, reflexos pupilares ou avaliação do fundo do olho, por exemplo. Além disso, poderá ser solicitado um exame de ressonância magnética cerebral, que ajuda a identificar alterações cerebrais como as provocadas pela esclerose múltipla ou um tumor cerebral. A neurite óptica costuma surgir devido à esclerose múltipla, infecções cerebrais, como meningite ou encefalite viral, provocada por vírus como varicela ou herpes, tumor cerebral, doenças autoimunes, doença de graves, intoxicação por medicamentos ou por metais pesados. No entanto, em muitos casos, a causa da neurite óptica não é detectada, sendo chamada de neurite óptica idiopática. Em muitos casos, a neurite óptica tem uma remissão espontânea, e os sinais e sintomas melhoram sem a necessidade de um tratamento específico Ainda assim, é sempre importante o acompanhamento com o oftalmologista e neurologista, que podem avaliar a necessidade de uso de medicamentos para diminuir a inflamação do nervo, ou a realização de uma cirurgia para descomprimir o nervo óptico.   Fonte: Tua...

Botão Leia Mais