Pages Navigation Menu

5 dúvidas respondidas sobre cuidados com os olhos nos dias frios

5 dúvidas respondidas sobre cuidados com os olhos nos dias frios

Muito se fala sobre os cuidados com os cabelos e com a pele nos dias mais frios. Mas a maioria das pessoas esquecem de regiões sensíveis como a dos nossos olhos, em especial as pálpebras e os cílios, que também merecem atenção redobrada em estações de temperaturas mais baixas como o outono.

Para expor quais são as complicações mais recorrentes nesta e em outras épocas do ano, como evitá-las e quais são as medidas necessárias após o aparecimento, a Dra. Claudia Marçal, dermatologista membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), respondeu cinco dúvidas frequentes sobre o assunto.

1. Quais são os problemas mais recorrentes com os cílios nos dias frios?

Nos dias mais frios, as glândulas sebáceas da região dos olhos, capazes de promover a lubrificação através do sebo, tentam compensar a desidratação da pele pela falta de umidade e pela baixa da temperatura, produzem mais secreção oleosa e podem formar como se fosse uma descamação na base ciliar.

Fatores como exposição ao vento e banhos muito quentes acabam favorecendo uma maior secura na região das pálpebras, então essas pequenas glândulas acabam produzindo mais gordura para fazer o que chamamos de efeito compensatório. Isso pode provocar um quadro de vermelhidão, inchaço e até blefarite, chamada comumente de caspa nos cílios, e pode ter a forma de um farelo branco ressecado ou pequenos depósitos de cristais amarelados.

O olho seco também faz com que as pessoas manipulem mais a região. Esfregando, manuseando e coçando mais a região das pálpebras, há uma queda consideravelmente maior dos fios, que normalmente são substituídos num período de quatro a seis meses, de acordo com uma regulação natural da estrutura. O afinamento, a queda dos cílios e o aparecimento de demais complicações também pode estar relacionada ao hipotireoidismo, anemia ferropriva e deficiências de minerais como o Magnésio e o Zinco.

2. Qual é a maneira correta de higienizar a região das pálpebras?

O sabonete mais indicado para a lavagem da região das pálpebras é o com pH neutro, por volta de 5,5; também são indicados sabonetes a base de extratos vegetais calmantes, como camomila, nitrato, calêndula etc. Aqueles específicos para tratamento antiacne que possuam na sua composição algum tipo de ácido não são indicados para a região dos olhos porque podem causar uma dermatite irritativa.

Para remover maquiagens à prova d’água, não adianta somente lavar. É indicado, neste caso, utilizar loções bifásicas, que são compostas de uma fase aquosa e outra oleosa. A aplicação deve ser feita com as duas fases misturadas, a remoção pode ser feita com um algodão. Partículas que não possuem afinidade com a água são removidas pela fase gordurosa. Demaquilantes próprios para a região dos olhos também podem ser usados. As pálpebras devem ser muito bem enxutas e o rosto precisa ser lavado após a remoção da maquiagem com algum dos produtos citados acima. Escovar os cílios com um pente ou escova pequena também é uma boa maneira de retirar alguns resíduos e prezar pela saúde dos fios e dos olhos.

É fundamental que as mulheres não passem mais de oito a dez horas com maquiagem. Dormir de maquiagem então nem pensar. Muitas vezes utilizamos pigmentos que não são de boa qualidade. E mesmo quando são maquiagens confiáveis, algumas delas veganas, ou seja, produzidas com pigmentos naturais, não é recomendado que elas fiquem tanto tempo em contato com a derme, principalmente no caso daquelas que possuem uma pele sensível, hiperreativa.

Quando o rímel é de boa qualidade, acaba atuando até mesmo como uma camada protetora para os cílios, contra os poluentes que podem entrar em contato com o nosso olho. Mas se você permanece por muito tempo com uma maquiagem e não a remove, esta pode acumular sebo, micropoluentes. Então é muito provável que desenvolva um quadro de alergias persistentes e contínuas na região das pálpebras, eczemas, ardência, rachaduras etc. Produtos de beleza à prova d’água ainda têm mais chances de causarem irritabilidade por serem mais pesadas. Na remoção, muitas mulheres precisam esfregar mais para retirá-la completamente, desenvolvendo, assim um quadro de atrito e queda ciliar.

Outro cuidado fundamental para mulheres que possuem o costume de se maquiar é checar, sempre, a validade dos produtos. Um rímel, por exemplo, tem a validade de, em média, seis meses a um ano de idade. Caso você não troque, os riscos de contaminação também aumentam consideravelmente. A aplicação também é um dos pontos que, caso seja feita de maneira incorreta, pode causar processos de alergia e irritação.

3. É muito comum que resíduos de máscara, lápis ou sombra sejam causadores de terçol. Qual é a melhor maneira de retirar completamente a maquiagem? Por que é tão perigoso dormir de maquiagem? Qual é o tempo médio ideal para usar maquiagem?

O terçol ou viúva, conhecido cientificamente pelo termo hordéolo, não apresentam gravidade especial, mas geralmente são muito dolorosos e duram cerca de sete a dez dias, caso sejam externos, ou podem perdurar por várias semanas, caso sejam internos. Podem ser causados tanto por alterações hormonais, como por infecção dos folículos ciliares por uma bactéria chamada Staphilococcos Aureus. No caso do interno, o que normalmente acontece é uma infecção das glândulas sebáceas, localizadas na parte interna das pálpebras.

Os detritos que obstruem o canal ciliar podem ser tanto advindos de poluentes, ou seja, de material microparticulado presente nas fumaças dos escapamentos de carros, das queimadas, de uma fritura que foi feita na cozinha e até mesmo de pequenos depósitos maquiagens na região dos olhos. Geralmente, é necessária uma drenagem por se tratar de um processo infeccioso causado por uma bactéria. Algumas pessoas apresentam este problema por estarem com a resistência baixa, não se alimentarem ou dormirem bem. Sabonetes glicerinados e xampus destinados a bebês são dois produtos fundamentais para a boa higienização da região das pálpebras por não irritarem e limparem com suavidade, eliminando, assim a sujeira.

4. Qual é a maneira correta de se utilizar o curvex? Caso seja usado de maneira incorreta, pode causar algum dano à saúde dos olhos?

Causar algum dano à saúde dos olhos não, mas sim à saúde dos cílios. Sempre quando me perguntam, faço a comparação como se estivéssemos falando de uma chapinha, porque assim como os cabelos, os fios também são constituídos de queratina. Se você utiliza a prancha de maneira inadequada no fio do cabelo, passa algum produto impróprio para o aquecimento, o seu cabelo, certamente, será danificado. Assim também acontece com os cílios. Muitas mulheres tentam fazer uma curvatura que não existe, e é nesta área onde se pressiona que pode haver uma fratura por atrito e pressão. O que causa mais riscos de rompimento é, certamente, o curvex de aquecimento. Quando são utilizados com rímel, as chances de queda ou cisão aumentam ainda mais porque o produto altera a maleabilidade dos fios, causando um dano estrutural.

5. Quais são os cuidados necessários na hora de usar produtos para tingir ou para favorecer o crescimento dos cílios?

Nós temos uma média de 100 a 150 fios por olho, e para quem deseja ter cílios maiores ou uma maior quantidade são indicados desde produtos naturais como óleos de rícino, coco e mamona que, além de auxiliarem na lubrificação da área, melhoram a qualidade dos fios, até fórmulas ricas em vitaminas E e B5. Todos também são muito utilizados para o crescimento das sobrancelhas. As aplicações geralmente são feitas com um cotonete e algumas pacientes utilizam uma escovinha para retirar o excesso.

Há também disponível no mercado um colírio próprio para o tratamento de glaucoma que também é utilizado, segundo prescrição, orientação e acompanhamento médico, para favorecer o crescimento dos fios, sejam dos cílios ou das sobrancelhas. Não é indicado para olhos claros porque pode causar pigmentação, então o paciente pode ter desde um escurecimento até um quadro de irritabilidade.

Na hora de tingir, recomendamos o teste obrigatório de alergia. Também é importante frisar que o tingimento não pode ser feito com tinturas capilares, e sim com específicas para cílios. Algumas pessoas também fazem extensão dos cílios com fios sintéticos, e é de suma importância que haja um acompanhamento durante o processo para não causar maiores problemas como infecções.

O teste de alergia funciona mais ou menos da seguinte maneira: primeiro, a paciente precisa aplicar a tintura numa área não tão sensível do corpo como a região dos olhos e aguardar 72 horas para ver se aquela região não desenvolveu nenhuma reação. Os produtos precisam ser de boa qualidade e geralmente peço aos meus pacientes para utilizarem, no fim do processo, um creme calmante hidratante específico para a área dos cílios. Pessoas com um histórico de hipersensibilidade devem ficar mais atentas para não desencadearem um quadro alérgico.